Entrevista Renata Vilarinho para a Agência Radioweb
Entrevista Renata Vilarinho para a Agência Radioweb

Entrevista concedida por Renata Vilarinho, gerente executiva do CEMPRE, para a Agência Radioweb.

O que falta ao Brasil para avançar rumo à economia circular, falando especialmente de resíduos recicláveis?

Antes de tudo, precisamos ter consciência da importância de migrarmos do atual modelo de economia linear – baseada na lógica de extração, fabricação e descarte – para um modelo de economia circular, que busca, principalmente, a redução de desperdícios, levando em conta que essa mudança é o que irá garantir a preservação dos recursos naturais para as presentes e futuras gerações.

Nesse contexto, é essencial um conhecimento amplo do conceito de responsabilidade compartilhada pela gestão dos resíduos, previsto na PNRS. De maneira resumida, esse conceito guarda a ideia da necessidade de um esforço conjunto por parte da população, poder público e da indústria para aproveitamento adequado aos materiais e aumento dos índices de reciclagem. No caso da indústria, especificamente, a economia circular deve ser pensada desde a etapa da concepção do produto para que ele gere menos resíduo,  ou para que esses produtos possuam um maior índice de reciclabilidade – a otimização do design de uma embalagem, por exemplo – sejam fabricados com materiais já reciclados ou reutilizados, ou que tenham a sua vida útil prolongada, por exemplo.

Num estágio mais avançado, podemos prever o incentivo a ecossistemas colaborativos entre os diversos ramos da indústria, privilegiando ações de complementariedade nos processos produtivos, visando a redução de desperdícios.  Ou seja, os resíduos descartados por uma indústria podem servir de matéria-prima para outra, minimizando o descarte de “lixo” no meio ambiente e a extração de recursos naturais.

A população é um agente fundamental para o ciclo da reciclagem funcionar. Como conscientizar as pessoas?

Sem dúvidas, a conscientização da população é um elemento chave para aumento dos índices de reciclagem no país, uma vez que cada um de nós tem o poder (e a obrigação, por lei) de destinar de forma adequada o que não mais nos serve e que nós classificamos como resíduo – mas que, na verdade, tem um enorme potencial de retornar ao ciclo produtivo.

O estudo CEMPRE Review 2019 indica que 95% da população acredita que a coleta seletiva é um serviço importante, mas, infelizmente, ainda esbarramos em obstáculos como falta de tempo ou de conhecimento para fazer a separação dos resíduos, como também a falta de confiança nos serviços disponíveis. Precisamos melhorar esse índice e, para isso, as políticas de incentivo à economia circular, com campanhas de educação para o consumo consciente, para adoção de práticas de reciclagem, valorização dos resíduos como matéria-prima e de mobilização da comunidade são essenciais.

Segundo os dados recentemente divulgados pelo CEMPRE, o isolamento social trouxe impactos importantes inclusive para a coleta seletiva. O que mais chamou a atenção de vocês no último levantamento?

O levantamento foi realizado no período de 23/03 a 24/04, com 950 entidades, divididas em 21 estados e 504 munícipios, em todo o território nacional, com base nas instituições cadastradas no “Rota da Reciclagem”. É uma amostragem significativa!

A falta de uniformidade no serviço de coleta seletiva e reciclagem nas cinco regiões do país é algo que salta aos olhos e ficou ainda mais evidente durante a crise. As regiões Sul e Sudeste concentram o maior número de cooperativas e tem o serviço de coleta seletiva mais estruturado, sendo urgente o fortalecimento desse tipo de iniciativa no Norte e Nordeste do país, a fim de que os resíduos recicláveis não sejam inadequadamente encaminhados para aterros ou lixões.

Com base no levantamento realizado, foi possível observar que a região Nordeste foi a que proporcionalmente apresentou maior impacto na coleta seletiva. Dos 67 municípios contatados e que possuem o serviço consolidado, apenas 1 manteve o serviço operando normalmente, o que representa 1,5% da coleta seletiva na região. Já a região Sul foi a quemanteve o maior índice do serviço de coleta seletiva operando normalmente (58,9 %), com 46 municípios em plena atividade.

Analisando os dados levantados na pesquisa, temos o seguinte cenário:

  • 35,5% dos municípios não alteraram a programação da coleta seletiva;
  • 26,3% reduziram a frota de caminhões e a frequência de entrega dos resíduos nas
  • cooperativas;
  • 24,9% dos municípios suspenderam temporariamente o serviço de coleta seletiva;
  • 12,7% dos municípios avaliados não possuem o serviço de coleta seletiva

O CEMPRE reforça a importância da coleta seletiva para a gestão dos resíduos sólidos no Brasil, representando a primeira etapa após o descarte pela população, e constituindo uma relevante fonte de renda e trabalho para as cooperativas e associações de catadores de recicláveis.

Veja também
Receba
nossas notícias
no seu e-mail
Se tem alguma
dúvida, entre em
contato conosco!
Lorem
ipsum norus
avtus epicus
norbet

Nostrud consequat nostrud dolor Excepteur irure. Dolore tempor et laboris Lorem deserunt. Magna incididunt ipsum quis. In pariatur ea nulla nostrud. Aute irure laborum velit minim. Occaecat dolore mollit in. Minim reprehenderit et irure. In aute qui ut. Nostrud consequat nostrud dolor Excepteur irure. Dolore tempor et laboris Lorem deserunt. Magna incididunt ipsum quis. In pariatur ea nulla nostrud. Aute irure laborum velit minim. Occaecat dolore mollit in. Minim reprehenderit et irure. In aute qui ut.