CEMPRE INFORMA MAIS

Canoas consolida contratação de cooperativas de catadores

A promoção do descarte correto, o reaproveitamento dos resíduos recicláveis e o reconhecimento dos catadores como agentes ambientais foram os princípios que guiaram a criação do Programa de Coleta Seletiva Compartilhada e Inclusão Socioprodutiva de Catadores, em 2010, no município de Canoas (RS). O programa reconheceu o trabalho dos catadores (o grupo mais antigo existe há 39 anos), estruturou e profissionalizou a coleta seletiva, contratando os serviços de quatro cooperativas: a Cooperativa Amigos e Amigas Solidárias/Cooarlas, a Cooperativa de Catadores de Material Reciclável de Canoas/Coopecamate, a Cooperativa Renascer e a Cooperativa de Triagem e Reciclagem Mato Grande/Coopermag.

Cada cooperativa firmou um contrato com a prefeitura para a coleta e transporte dos resíduos até as unidades de triagem e possui um caminhão para percorrer um roteiro predefinido. As quatro cooperativas utilizam também, em rodízio semanal, um quinto caminhão conjunto que realiza a retirada dos materiais em empresas, condomínios, shoppings, postos de saúde e estabelecimentos públicos. Os cinco veículos foram adquiridos com apoio do governo federal, no Programa Cataforte II. Além das quatro cooperativas, que são as mais antigas e estruturadas da cidade, dois outros grupos recebem os resíduos para realizar o processo de triagem e comercialização: a Cooperativa Mãos Dadas e o Ponto Popular de Trabalho - Incubadora de Triagem Solidária. O sistema gera renda direta para 134 catadores, beneficiando mais de 430 pessoas, de forma indireta.

Implantada nos 18 bairros de Canoas, a coleta atinge 88% dos domicílios, totalizando 217 toneladas de recicláveis por mês. “A prefeitura paga às cooperativas mensalmente, no sistema de empreitada por preço global. No valor estabelecido, estão incluídos todos os custos da prestação dos serviços, impostos, taxas e contribuições sociais, sendo que o reajuste do preço ocorre anualmente, de acordo com a variação do IPCA. O contrato contempla um percentual de 5% sobre o valor mensal para investimento e as cooperativas fornecem à prefeitura planilhas com dados da coleta, comercialização, inclusão e renda”, detalha Roseli Pereira Dias, diretora de Resíduos Sólidos e Coleta Seletiva da Secretaria Municipal de Meio Ambiente.

A sensibilização da população, de quase 329 mil habitantes, inclui panfletos informativos, divulgação periódica no jornal da prefeitura (com mensagens e orientações) e ações nas escolas locais. “Entre as principais conquistas desse processo, estão a efetiva participação das cooperativas na gestão compartilhada do programa, sua articulação em rede, a constituição da Central de Cooperativas de Canoas – COOPERCAN e a aquisição de equipamentos - como prensas, esteiras, elevadores e caminhões - que têm facilitado e aprimorado o processo”, ressalta Roseli. Canoas conta com um Plano Municipal de Coleta Seletiva estruturado, com metas claras que abrangem temas como a qualificação dos roteiros e a metodologia do sistema, a melhoria da qualidade dos recicláveis e a implantação de instrumentos de avaliação do programa.

Em reconhecimento à qualidade de seu sistema, Canoas foi uma das quatro vencedoras do Prêmio Cidade Pró-Catador, em 2015. “Essa premiação nos estimula muito, pois destaca o que nossa cidade faz pela coleta seletiva e a inclusão social. Também valoriza nossa luta no dia a dia que vem sendo construída há muitas décadas. Durante esses anos, conquistamos parceiros, galpões, equipamentos, o apoio da prefeitura e a confiança da população”, orgulha-se Ana Paula Domingues da Silveira, representante das cooperativas.

Crédito (foto): Winny Padaratz 

Para saber mais: http://www.canoas.rs.gov.br/