CEMPRE INFORMA MAIS

Porto Alegre forma assessores para Unidades de Triagem

A boa gestão das cooperativas é um ponto crucial para assegurar sua produtividade, eficiência, segurança e o bom relacionamento entre os cooperados. Por isso, a prefeitura de Porto Alegre, por meio de seu Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), resolveu investir nesse aspecto, com o Curso de Capacitação de Assessoria Sistêmica às Unidades de Triagem (UTs).

Realizada de 3 a 6 de fevereiro, a capacitação teve carga horária de 28 horas e formou dez assessores sociais para atuar por, pelo menos, 24 meses nas UTs de materiais recicláveis que atendem a capital. O objetivo da prefeitura é qualificar o serviço executado pelas cooperativas, potencializando sua autogestão, com foco no empreendedorismo. Em seu dia a dia, os assessores deverão atuar como multiplicadores, apoiadores e monitores dos serviços prestados pelas cooperativas.

“Em Porto Alegre, a coleta é feita por uma empresa contratada pelo município. Existem, na cidade, 18 cooperativas, com cerca de 580 cooperados, e cada uma é responsável pela operação de uma UT, fazendo a triagem e comercialização dos recicláveis”, explica o engenheiro André Machado, do DMLU. “Isso acontece via convênio da prefeitura com cada cooperativa, por meio da concessão de galpão e equipamentos e também com repasse financeiro para custeio de produção.”

A coleta seletiva porta a porta teve início em julho de 1990 e abrange, hoje, 100% dos bairros. Mensalmente, são recolhidas em média 2.400 toneladas de papéis, plásticos, vidros e metais. São utilizados também seis Ecopontos, 42 Postos de Entrega Voluntária, locais específicos para entrega de óleo de cozinha e um caminhão para coleta itinerante de eletroeletrônicos.

Após investir na ampliação da eficiência do sistema na ponta da separação com ações como cursos ministrados por seu Serviço de Assessoria Socioambiental para zeladores, síndicos, empresas e escolas que unem teoria e prática, o DMLU decidiu atuar também diretamente no aumento da eficiência junto às cooperativas. Os dez agentes que participaram do curso para atender às Unidades de Triagem receberam aulas de gestão, educação sanitária e ambiental, produção e trabalho cooperativo. A pré-seleção dos candidatos foi feita seguindo quesitos que incluíram formação superior na área de Humanas, como psicologia e assistência social, além de experiência profissional no manejo de grupos socialmente vulneráveis.

As aulas foram ministradas por engenheiros, sociólogos, psicólogos, administradores e assistentes sociais, designados em sua maioria pela Cooperativa Mãos Verdes, parceira do DMLU na realização da capacitação. O curso também contou com apoio da Secretaria Municipal de Governança Local, da Fundação Solidariedade, Associação do Voluntariado e Solidariedade (Avesol) e Centro de Assessoria Multiprofissional (Camp).

“Pretendemos monitorar a adequação desse trabalho em campo através de um sistema de feedback, com reuniões semanais, e por meio de formulários e relatórios”, explica André Machado. “Além de aprimorar as condições de trabalho, nossa expectativa também é elevar a renda média dos catadores para 1,5 salário mínimo até o final de 2016.”

Foto: Ricardo Giusti/PMPA

Para saber mais: http://www2.portoalegre.rs.gov.br/portal_pmpa_novo/