CEMPRE INFORMA Número 151 Janeiro/Fevereiro

Reportagem Capa

51% da população é atendida pela logística reversa

O presidente do Cempre, Victor Bicca, entregou ao ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, um relatório completo sobre os primeiros doze meses de atividades do Acordo Setorial para Implantação do Sistema de Logística Reversa de Embalagens, formalizado no dia 25 de novembro de 2015, pelo grupo que constitui a Coalizão Embalagens. O encontro, realizado no dia 1o de dezembro de 2016 em Brasília, teve como tema as principais conquistas do setor em prol da ampliação da coleta seletiva e, portanto, do incremento da cadeia da reciclagem no país.

Victor Bicca entrega Relatório ao ministro Sarney Filho

Segundo os dados apresentados, o Sistema de Logística Reversa de Embalagens registrou ações em 422 municípios de 25 Estados, alcançando 51,2% da população brasileira. O relatório revela que 702 cooperativas foram apoiadas e 3.151 ações de estruturação para adequar e ampliar a capacidade produtiva das cooperativas foram realizadas entre 2012 e 2016. No período, também foram instalados 2.103 Pontos de Entrega Voluntária (PEVs) e desenvolvidas 7.861 ações para estruturação, implementação, operação e manutenção dos pontos.

Na ocasião o ministro elogiou a iniciativa dos empresários, enfatizando que as metas do acordo foram cumpridas, mesmo diante da crise econômica enfrentada pelo país nos últimos anos. “Nós fizemos a nossa parte, primeiro lutando contra as pressões no Congresso Nacional até a aprovação da Política Nacional de Resíduos Sólidos e agora apoiando a execução da lei no Ministério do Meio Ambiente”, disse. 

Reconhecimento 

Sarney Filho estimulou os empresários do setor a expandir as diretrizes fixadas. “Agindo dessa forma, poderemos avançar nas emissões evitadas, contribuindo para a economia necessária de baixa emissão de carbono”, afirmou. O secretário de Recursos Hídricos e Qualidade Ambiental do MMA, Jair Tannús, reconheceu tratar-se de um acordo complexo que envolveu um trabalho intenso de negociação e arranjos. “Isso ocorreu não só do lado das empresas, que tiveram que se unir para propor medidas que facilitassem a sua execução, mas também de parte do governo que teve que indicar medidas de cunho nacional que pudessem transmitir a mesma mensagem a todo o país”, explicou.

O presidente do Cempre, Victor Bicca, ressaltou que o acordo assinado pelas empresas é inédito e motivo de orgulho para todos os envolvidos: “Nosso desafio, agora, é ampliar essa sinergia, buscando a troca ainda maior de experiências para multiplicar nossos resultados dentro do conceito de responsabilidade compartilhada."