CEMPRE INFORMA Número 157

Reciclando ideias

Ciclosoft demonstra amadurecimento do sistema

Realizada pelo Cempre a cada dois anos, a 11ª edição da pesquisa Ciclosoft indica a evolução das cooperativas, com apoio empresarial, e o crescimento contínuo da coleta seletiva, mesmo que em ritmo abaixo do previsto.

Os economistas consideram saudável quando uma nação em desenvolvimento cresce entre 4% e 5% ao ano. Desde 2010, o Brasil está bem longe dessa faixa, inclusive com quedas muito elevadas no PIB, em 2015 e 2016. Por outro lado, o país voltou a crescer, mesmo que pouco (veja quadro elaborado a partir de dados do IBGE e estimativas de especialistas).

A realidade, portanto, é que os brasileiros enfrentaram, nos últimos anos, uma das maiores crises de sua história, com impactos em todos os setores da economia. Diante desse cenário, os resultados da pesquisa Ciclosoft 2018 assinalam uma realidade melhor do que se poderia esperar. “Os dados apontam o amadurecimento do sistema, com destaque para a participação das cooperativas. Mesmo que abaixo do ritmo ideal, identificamos o crescimento contínuo dos programas de coleta seletiva nos municípios”, explica o diretor do Cempre, André Vilhena. Com a previsão de retomada do crescimento, há expectativa de melhoria ainda mais significativa dos dados para o próximo biênio, quando a Ciclosoft completará 26 anos de acompanhamento do setor.

Maiores destaques

O total de municípios com coleta seletiva atingiu a marca de 22%, com elevação de quatro pontos percentuais em relação à pesquisa feita em 2016. Isso representa a adesão de 172 novas cidades. Em termos de distribuição dos programas, nota-se ainda maior concentração dos programas no Sul e no Sudeste do país: 87% estão alocados nas duas regiões contra 81%, no levantamento anterior. Vale destacar, porém, que, juntas, elas reúnem quase 52% dos municípios brasileiros.

A coleta seletiva é realizada de diferentes formas, sendo que muitos municípios conciliam mais de um modelo. A maior parte utiliza o esquema de porta a porta (80%), havendo participação das cooperativas de catadores em 61% e dos Postos de Entrega Voluntária em 45%.

A Ciclosoft revelou também uma mudança no mix de agentes executores da coleta. A contratação de empresas particulares caiu de 67% para 36%, a execução pela própria Prefeitura teve queda de 51% para 39% e houve aumento de seis pontos percentuais na operacionalização por cooperativas de catadores. Confira esses e outros dados obtidos no levantamento: