CEMPRE INFORMA Número 157

Reportagem Capa

Nova publicação traça retrato da reciclagem no país

Um dos principais propósitos do Cempre é atuar ativamente no levantamento e difusão de informações confiáveis sobre a reciclagem no país. O “Cempre Review 2019” demonstra esse esforço, consolidando uma série de dados atualizados sobre o setor, com tabelas, gráficos e análises dos avanços e desafios para o crescimento da coleta seletiva e reinserção dos materiais recicláveis no ciclo produtivo.

“Da valorização do trabalho dos catadores à maior conscientização ambiental dos consumidores, as ações empresariais permitiram ganhos que fortalecem o modelo brasileiro de logística reversa para ingresso em uma nova etapa. O salto requer contínuo engajamento e políticas públicas no nível federal, estadual e municipal, voltadas ao desenvolvimento do mercado de reciclagem, com mais investimentos e inovações, superando entraves de tributação.” Logo na apresentação, o presidente do Cempre, Victor Bicca, ressalta o cenário atual e a necessidade de melhoria contínua no modelo escolhido pelo país.

A publicação editada pelo Cempre divide a questão em cinco capítulos. São 37 páginas recheadas de informações segmentadas da seguinte forma: Responsabilidade de todos, Evolução do compromisso, Indicadores da reciclagem, Mitigação da mudança climática e Cenário de desafios.

Onde estamos e para onde ir 

O primeiro capítulo destaca a responsabilidade compartilhada sobre a qual se alicerçou a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), aprovada em 2010. A lei pressupõe a ação de todos os agentes direta e indiretamente envolvidos com a questão da reciclagem como o poder público, a população, os catadores, as empresas, os pesquisadores, a imprensa e as associações da sociedade civil organizada, ressaltando o protagonismo do Cempre desde as primeiras discussões sobre o tema no Brasil, a partir da realização da Rio 92.

No segundo capítulo, é possível acompanhar um retrato detalhado da abrangência da reciclagem, a partir dos dados e das ações realizadas no âmbito da Fase 1 do Acordo Setorial de Embalagens. Os capítulos 3 e 4 apresentam, respectivamente, o perfil da coleta seletiva no país e como seu desenvolvimento pode ajudar a reduzir a emissão dos gases de efeito estufa, contribuindo para desacelerar o aquecimento global.

A publicação termina com uma análise das dificuldades que precisam ser contornadas para consolidar e ampliar a gestão integrada dos resíduos sólidos. Entre elas, estão a criação de políticas públicas, justiça tributária e segurança jurídica para novos investimentos em inovação e na infraestrutura do parque reciclador, a formatação de novos modelos de negócio e soluções sustentáveis nas cadeias produtivas das empresas e a maior profissionalização das cooperativas, com aumento de escala da coleta. Não são poucos os desafios, mas podem ser muitas as soluções como aponta o “Cempre Review 2019”.