CEMPRE INFORMA Número 155 Agosto/Setembro

Mercados e Recados

Cempre faz apresentação durante a COP 23

A convite do Ministério do Meio Ambiente, o presidente do Cempre Victor Bicca fez uma apresentação no Espaço Brasil - área montada pelo governo federal na 23ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 23) que ocorreu de 6 a 17 novembro em Bonn, na Alemanha. No Espaço, foram divulgadas as principais ações do país na busca de soluções para o aquecimento global. A palestra do Cempre apontou os resultados obtidos na gestão dos resíduos sólidos, sobretudo após a promulgação da Lei 12.305, de 2010, que estabeleceu a Política Nacional de Resíduos Sólidos.

Severino Lima Junior, membro do Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, foi também um dos palestrantes da Conferência. 

Com o objetivo de avançar na regulamentação do Acordo de Paris, a COP 23 discutiu as contribuições de quase 200 países para frear o aumento da temperatura média do planeta. Nesse contexto, a meta brasileira é reduzir 37% das emissões até 2025, com indicativo de cortar 43% até 2030.

“Em torno de 7% das emissões de gases de efeito estufa (GEE) no Brasil estão relacionadas com o gerenciamento dos resíduos sólidos. Por isso, a gestão adequada do setor faz parte da solução para a questão climática”, explicou Bicca. O presidente do Cempre detalhou os esforços que vêm sendo feitos, com destaque para a criação da Coalizão Embalagens, formada por associações de produtores, importadores, usuários e comerciantes que assinaram, em 2015, o Acordo Setorial de Embalagens em Geral (veja os resultados da primeira etapa do Acordo na matéria principal desta edição). 

“Com a implantação da Política Nacional, considerando os aspectos relacionados à melhoria na disposição final dos resíduos e ao aumento da taxa de recuperação da fração seca do lixo sólido urbano a partir de 2012, conseguiu-se evitar as emissões de GEE na ordem de 7,02 Tg CO equivalente por ano (7,02M toneladas CO eq anuais). Entre nossos desafios futuros, estão o aprimoramento técnico da cadeia da reciclagem, o desenvolvimento de novos mercados e negócios, a melhoria da educação ambiental da população e a continuidade das políticas públicas”, concluiu Bicca.

Para saber mais: https://cop23.unfccc.int/