CEMPRE INFORMA Número 154 Julho/Agosto

Mercados e Recados

Biometano pode gerar um terço da energia de Itaipu

O biogás poderia ter suprido quase 25% de toda a energia elétrica consumida no Brasil em 2015, mas somente 0,0741% desse potencial foi aproveitado.

Os cálculos, divulgados pela Associação Brasileira de Biogás e Biometano (ABiogás), mostram o potencial dessa fonte renovável de energia, proveniente do processo anaeróbio de decomposição de materiais orgânicos.

Formado basicamente por dois gases, o metano e o CO2, o biogás pode ser usado na geração de energia elétrica e térmica e, quando purificado (e transformado em biometano), serve ainda como combustível para veículos leves, médios e pesados. “Se comparado com os outros biocombustíveis, o biometano é o único que tem pegada negativa de carbono, além de transformar o passivo ambiental em um ativo energético”, explica Camila Agner D’Aquino, gerente executiva da ABiogás, criada em 2013.

Segundo a Associação, a produção anual de biometano no país poderia chegar a 23 bilhões de metros cúbicos. A maior parte, 12 bilhões de metros cúbicos, viria de resíduos da cana-de-açúcar usada na produção do álcool. Outros 8 bilhões de metros cúbicos seriam produzidos com rejeitos agrícolas e dejetos de animais como porcos, bovinos e aves. E, finalmente, 3 bilhões de metros cúbicos viriam do saneamento urbano, ou seja, do lixo orgânico e dos esgotos domiciliares e industriais.

O Brasil tem potencial para produzir 37 milhões de megawatts de energia por meio do biogás, o que equivale a pouco mais de um terço da produção anual da usina hidrelétrica de Itaipu, no rio Paraná. “Uma das grandes vantagens do biogás é poder ser produzido muito próximo da fonte de consumo, o que aumenta a eficiência do sistema como um todo e reduz as perdas na transmissão e distribuição”, detalha Camila. “Existe muito desconhecimento no Brasil sobre os benefícios do biogás e temos nos empenhado em mudar esse cenário.”

Os primeiros resultados já estão aparecendo: de 2015 para 2016, o biogás cresceu 30% na matriz elétrica brasileira. Mas ainda são muitas as oportunidades a serem exploradas.

Para saber mais: https://www.abiogas.org.br/